FNE saúda não promulgação do diploma do Governo para recuperação do tempo de serviço congelado
Atualidade

FNE saúda não promulgação do diploma do Governo para recuperação do tempo de serviço congelado

A FNE saúda a decisão do Presidente da República de não promulgar o decreto-lei aprovado pelo Governo e que reduzia a 2 anos, 9 meses e 18 dias a recuperação do tempo de serviço que esteve congelado para os docentes portugueses.

O Presidente da República devolveu o diploma ao Governo, referindo que a Lei do Orçamento de Estado para 2019 contém norma específica que determina que seja conduzido um processo negocial com vista à recuperação do tempo de serviço congelado.

A decisão do Presidente da República remete, deste modo, o processo negocial para o enquadramento definido pela Lei do Orçamento de Estado para 2019, que entrará em vigor no próximo dia 1 de janeiro.

Ao retomar as negociações, o Governo não pode ignorar que esta norma da Lei do Orçamento de Estado para 2019 reproduz a norma que sobre esta questão já constava da Lei do Orçamento de Estado para 2018, e que a Assembleia da República teve de repetir, por verificar que o Governo não deu cumprimento ao que se estabelecia sobre o direito dos docentes portugueses à recuperação integral do tempo de serviço congelado, 9 anos, 4 meses e 2 dias.

Deste modo, a FNE está inteiramente disponível para que o processo negocial seja rapidamente retomado e que o Governo assuma a orientação que muito claramente a Assembleia da República lhe determina, isto é, que a negociação deve ocorrer sobre o prazo e o modo como deve ser garantida a recuperação integral do tempo de serviço congelado.

Porto, 26 de dezembro de 2018
A Comissão Executiva
Calendário Escolar 2018/2019

Calendário Escolar 2018/2019

O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar por cada unidade orgânica que integra o sistema educativo.

Ler Mais

AS MAis Lidas

Atualidade 2019-03-20 às
Ação sindical (+) 2019-01-04 às
Voltar ao topo