FNE celebra Dia Nacional do Pessoal Não Docente em Ponta Delgada
Não docentes

FNE celebra Dia Nacional do Pessoal Não Docente em Ponta Delgada

O Secretário-Geral (SG) da FNE, João Dias da Silva, marcou presença na conferência comemorativa do Dia Nacional do Pessoal Não Docente (PND), sobre o lema “Estatuto do PND, 20 anos depois”, que decorreu no dia 23 de novembro, no Azoris Garden Hotel, em Ponta Delgada, nos Açores, organizado pelo STAAE Sul e RA (Sindicato dos Técnicos Administrativos e Auxiliares de Educação Sul e Regiões Autónomas), representado pela sua Presidente Cristina Ferreira, com a colaboração do SDPA - Sindicato Democrático de Professores dos Açores.

Este evento contou com a presença do Diretor Regional da Educação e Cultura do Governo dos Açores, Rodrigo Augusto Morais dos Reis, e teve o seu momento especial na apresentação das conclusões do “Estudo Sobre o Pessoal Não Docente”, levada a cabo pela Doutora Lúcia Miranda (STAAEZN/FNE), seguida por uma intervenção alusiva aos trabalhadores não docentes, a cargo de Nuno Cardoso Dias, em representação das associações de pais.
                  
A respeito da concretização de um plano relativo à formação, Cristina Ferreira afirmou que “formação é uma palavra-chave”, e que na reunião que aconteceu com o Secretário Regional da Educação e Cultura do Governo dos Açores, Avelino de Freitas Menezes (na foto), tinha sido bem recebida a intenção do seu sindicato de criar um projeto formativo contínuo para o PND nos Açores. A Presidente do STAAE Sul e RA garantiu ainda “a passagem desta ideia para o papel, de forma que seja submetida à Secretaria Regional de Educação de modo efetivo”.
 
Já o SG da FNE, João Dias da Silva, defendeu ser fundamental a valorização do trabalho do PND nas escolas, deixando ainda duas medidas para este objetivo ser alcançado: "Primeiro que tudo, é preciso identificar as necessidades concretas de cada escola, de forma que lhes seja atribuído o número de trabalhadores que lhes é indispensável, tendo sempre em conta os contextos e realidades de cada uma. E depois temos um problema, que transcende várias outras profissões, que é o crescimento da idade média dos não docentes, o que faz com que estejam mais vezes com doenças, algumas de caráter prolongado”. A fechar esta conferência, em dia de comemoração nos Açores, João Dias da Silva insistiu que “é necessário criar mecanismos flexíveis para que estes trabalhadores sejam rapidamente substituídos".

Voltar ao topo