Volume V do PISA 2018, da OCDE - Menos recursos humanos e materiais piores resultados
Atualidade

Volume V do PISA 2018, da OCDE - Menos recursos humanos e materiais piores resultados

A OCDE acaba de tornar público o Volume V do PISA 2018, que revela grandes disparidades, tanto entre os países quanto dentro dos países, na disponibilidade de tecnologia nas escolas e na capacidade dos professores de explorar as TIC de maneira eficaz.

Intitulado “Políticas Efetivas, Escolas de Sucesso”, o relatório envolveu 600 mil alunos de 15 anos de idade em 79 países (incluindo Portugal) e economias e mostra as debilidades de muitos sistemas educativos, que ficaram ainda mais a descoberto desde o início da pandemia do Covid-19, que levou ao encerramento de escolas em todo o mundo e forçou professores e alunos, em muitos países, a uma adaptação disruptiva ao ensino e aprendizagem online.  

Em média, nos países da OCDE em 2018, havia quase um computador disponível na escola para fins educativos para cada aluno de 15 anos. Ainda assim, diretores de escolas em muitos países relataram que os computadores não eram suficientemente poderosos em termos de capacidade de computação, afetando um em cada três alunos em todo o mundo.

“Os jovens desfavorecidos foram particularmente afetados e cada país deve fazer mais para garantir que todas as escolas tenham os recursos de que precisam para que todos os alunos tenham oportunidades iguais de aprender e ter sucesso”, salientou Andreas Schleicher, Diretor de Educação e Competências da OCDE, a propósito das diferenças entre escolas favorecidas e desfavorecidas terem sido muito significativas.

O relatório também compara outros aspetos-chave das políticas e equidade da escola. No geral, os resultados do PISA 2018 revelam disparidades consideráveis entre escolas favorecidas e desfavorecidas relacionadas à escassez de recursos humanos e materiais, incluindo recursos digitais. O volume V do PISA 2018 mostra que, já antes da pandemia, muitas escolas enfrentavam escassez de recursos.

As descobertas também revelam como as bases para o sucesso na educação são estabelecidas desde muito cedo. Os alunos que frequentaram a educação pré-primária por mais tempo tiveram melhores resultados no PISA do que os alunos que não frequentaram a educação pré-primária.

O relatório da OCDE relaciona diretamente a existência de bons recursos materiais e humanos nas escolas e um espaço próprio para estudar em casa com o bom desempenho dos alunos na competência de leitura, considerada essencial para o sucesso escolar.

No webinar de apresentação dos resultados (em 29 de setembro), em que a FNE participou, Andreas Schleicher sublinhou que temos vindo a “separar a avaliação dos alunos da aprendizagem” e que temos que as reunir de novo. Para o Diretor de Educação e Competências da OCDE, “precisamos de mais avaliação para o aluno e menos para o professor e para as escolas”, tarefa em que a tecnologia pode ser de grande utilidade.

O Volume V do PISA 2018 está disponível em http://www.oecd.org/education/pisa-2018-results-volume-v-ca768d40-en.htm.


Consulte aqui o Volume V do PISA 2018, da OCDE
Voltar ao topo